Quem tem boca…

Há alguns anos, quando trabalhei numa emissora local em Altamira, foi noticiada a morte do filho de um empresário. Quando a reportagem terminou, pedi autorização (sim, tive que pedi) e li uma nota em que eu questionava os valores que repassávamos aos nossos filhos e, principalmente, que exemplos dávamos a eles. Todos nós erramos. Uns … Continuar lendo Quem tem boca…

6102 Mene? Enem 2016!

Ronco… Foi dormir. “Amanhã vai começar tudo de novo”, pensou. Voltou, tomou um banho e escutou pela TV que o Instituto responsável pelo exame nega que houve vazamento das provas. Como todos anos sempre se propaga. Chegou, deu um beijo na esposa e resolveu beber umas cervejas. Esperou até os 45 minutos do segundo tempo … Continuar lendo 6102 Mene? Enem 2016!

Força estranha

Eu vi um menino correndo, mas não vi o tempo brincando ao redor do caminho daquele menino. Atrás dele, outros garotos que buscavam ofendê-lo, agredi-lo, espanca-lo. Ou foi somente uma queda? Da dúvida, a certeza: morte. Bullying surgiu como a palavra da vez, mas os assédios morais ou físicos sempre existiram. Culpa de uma mídia … Continuar lendo Força estranha

Belém 2016: como seria?

Há quase sete anos, o Brasil celebrava o fato do Rio de Janeiro ser escolhida como sede para as Olimpíadas de 2016. Agora com a data mais próxima, imaginemos muito hipoteticamente se tivesse sido Belém. Agosto de 2016. Inicia-se mais uma edição dos Jogos Olímpicos de Verão, popularmente Olimpíadas. Estádio Olímpico Mangueirão. Uma imensa cuia … Continuar lendo Belém 2016: como seria?

Violência em todos os cantos

  “Eu quero presentear A minha linda donzela Não é prata nem é ouro É uma coisa bem singela Vou comprar uma faixa amarela Bordada com o nome dela E vou mandar pendurar Na entrada da favela”*   Não teve faixa amarela. Teve a linha vermelha. Lavada com sangue. Mais uma vez. Perto de favelas. … Continuar lendo Violência em todos os cantos

De volta pro aconchego

Ah, que saudades sentia da minha bela morena com aroma de manga, tucupi e açaí. Do beijo doce de cupuaçu, do tremor do jambu e do calor que nos abraçava antes da chuva refrescante. Como sentia falta das conversas com ela sob os túneis feitos por imponentes mangueiras centenárias e dos amigos da infância. Às … Continuar lendo De volta pro aconchego

Só nos restam canções de despedida

Um universitário e uma criança. No ônibus que o levaria para uma excursão, amigos o viram sucumbir diante de bandidos covardes que atiraram sem motivo aparente. O fisioterapeuta de amanhã, Lucas, teve a vida interrompida na madrugada. Na festa de aniversário, coleguinhas viram criminosos trocarem tiros com um policial e a pequena Ana, de oito … Continuar lendo Só nos restam canções de despedida

Trânsito mata inocentes e culpados

Morte no trânsito. O título já foi usado inúmeras vezes por telejornais, jornais impressos e sites pela internet. Nunca escrito, mas quase sempre embutido nas entrelinhas, a imprudência é a responsável. Desta vez, três rapazes morreram após a capotagem de um veículo, em uma avenida bastante conhecida em Belém (PA). Uns disseram que teria sido … Continuar lendo Trânsito mata inocentes e culpados

Portal publica morte de bandido – “Menos um”

Somos só nós que desejamos o mal dos “que não tiveram chance”, dos que “são excluídos pela sociedade”, “vítimas de um Estado capitalista” ou a Rachel Sheherazade exagerou mesmo? Título em portal de notícias informa “menos um”. É o que todos pensariam ou somente o editor/repórter da matéria? De qualquer maneira, a atitude do policial foi corajosa … Continuar lendo Portal publica morte de bandido – “Menos um”

Somente aplausos

Dezessete de junho. Nas ruas, o povo. Nas tevês, a massa. Nos debates, o protesto. Nas mentes, mudanças. Dezessete de junho. Não importa a cidade. De São Paulo a Belém. Milhares de brasileiros, de todas as idades e todas as cores (somos uma só raça). Juntos, unidos, de dia, de noite, na chuva, no sol. … Continuar lendo Somente aplausos

O amor e o ódio que movem os torcedores

Nunca fui a um estádio de futebol assistir partida do meu Paysandu. Medo? Falta de oportunidade? Nem sei. Agora é mais difícil, morando longe de Belém. Por que então torcer pelo time bicolor? Influência do pai, amigos ou simplesmente uma paixão ao ver, ainda em 91, o bicho-papão ser campeão brasileiro? Por que não ser … Continuar lendo O amor e o ódio que movem os torcedores

Violência banalizada

As imagens das “aulas” praticadas em um curso de karatê já correm o Brasil e o mundo. Ainda espanta em todos nós o fato do assassino confesso de ex-companheira sair pela porta da frente de uma delegacia para responder em liberdade. Nos revolta ver adolescentes cometerem arrastões – quando não homicídios -, e nada ser … Continuar lendo Violência banalizada