Força estranha

Eu vi um menino correndo, mas não vi o tempo brincando ao redor do caminho daquele menino. Atrás dele, outros garotos que buscavam ofendê-lo, agredi-lo, espanca-lo. Ou foi somente uma queda? Da dúvida, a certeza: morte. Bullying surgiu como a palavra da vez, mas os assédios morais ou físicos sempre existiram. Culpa de uma mídia […]

Leia mais Força estranha

Chocolate “quase” amargo

Willy Wonka morreu. Na verdade, o ator que o imortalizou (melhor que Johnny Deep), Gene Wilder, sofria e ninguém sabia, de Alzheimer. Com um jeito de tio querido, Wilder encantou milhares de crianças, jovens e adultos no clássico A Fantástica Fábrica de Chocolates, em que o pequeno Charlie e outras quatro pequeninhos (nem tanto) vão conhecer a […]

Leia mais Chocolate “quase” amargo

O céu continua em festa

Anos 70, 80 e 90. Michael Jackson, Roberto Bolaños (Chaves), Ayrton Senna. Não necessariamente nessa ordem. Três estilos, três ídolos, várias gerações. Michael revolucionou o videoclipe. Bolaños fez humor sem apelação. Senna encantou uma geração. O legado de Thriller está perpetuado na música pop e seu estilo inovador. O sucesso do criador de Chaves estará […]

Leia mais O céu continua em festa

Uma ideia nunca morre

Resolvi esperar a decisão do terceiro lugar para terminar esse texto, começado depois da partida entre Brasil e Chile, decidida nos pênaltis. Alguém me perguntou porque se chorava tanto naquela decisão, assim como milhares de brasileiros país afora. Eu fui piegas também e quase deixei as lágrimas escorrerem enquanto parecia ouvir “sou brasileiro, com muito orgulho”. […]

Leia mais Uma ideia nunca morre

Shopping para quê?

Dando sequência aos textos que nos remetem à época escolar, segue mais uma questão de prova. Imagine um local em que você pode comprar meias, sapatos, calças e camisas. Se está indo para um passeio ou acampar em uma praia, você também encontrará redes, lanternas e outros apetrechos. Se preferir ficar em casa, que tal […]

Leia mais Shopping para quê?

Sabe de nada, inocente.

Ser “ordinária” é palavrão? É o quê? Tanta coisa desrespeitando as mulheres. As músicas que milhares de jovens cantam diariamente, então, nem se fale. “Sobe o vestidinho”, “tá doida, é?”, “arrocha que ela gosta” e por aí vai, são exemplos, mas a palavra “ordinária”, não pode. Exploração dos corpos femininos em programas de auditório ou […]

Leia mais Sabe de nada, inocente.

Como nossos pais?

A imprudência de um irresponsável em segurar uma criança (próprio filho?) do lado de fora em uma praia paraense demonstra o nível de educação que temos e que está sendo difundido pela mídia, inclusive, pelos “novos cantores”. Uma prova? “Quando ela bebe, ela fica louca (…) a gata endoidou e deu uma empinadinha em mim […]

Leia mais Como nossos pais?

Que Pará é esse?

Prezado Sr. Nicias Ribeiro, Li seus artigos publicados, no jornal que mostra os “avanços” que o BRT trouxe e as grandes obras do governo estadual, tanto de quarta-feira passada (19) como o de hoje (26). Realmente, com tanta riqueza em detalhes, fico maravilhado em conhecer nosso Estado-continente e toda sua belezura. Sem esquecer do quanto […]

Leia mais Que Pará é esse?